sexta-feira, janeiro 02, 2009

Você compraria este Audi após este comercial?



Sempre gostei. Sou fã das campanhas da Audi. Sempre bem objetivas e auto-explicativas. Realmente é uma marca que me atrae muito a cada campanha. Tem um posicionamento bem definido diante de marcas como BMW, Mercedes e Lexus.

Este filme para o lançamento do novo Audi Q5, desenvolvida pela BBh de Londres, intitulado Unbox The Box. Assista Aqui. Com uma ótima trilha [
Riding in My Car (Car Song) - Woody Guthri].



Posto ele porque meche muito com o imaginário. É um filme universal e com uma mensagem fácil e clara sobre o produto. Este é um modelo de filme que admiro, por conter o máximo no mínimo. No entanto, é um filme que enfoca um único benefício funcional do produto, o design amarrado ao espaço. Agora fico me perguntando se o cara que tem $80.000 dólares para dar em um Audi, se encantaria ao ver este filme. É bonito, bem executado, estética impecável, pouco rígido e uma linguagem solta, dierente de BMW e Mercedes. Pois, pra mim, poderia ser aplicado a qualquer carro de faixa menor, mas que tivesse o seu valor, como um Fusion ou um Edge da Ford; ou um quem sabe um C4. Será que é um Não sei se estou sendo exigente com os criativos da BBH ou se realmente estou viajando.

Essa discussão me leva ao fator do Poder das Idéias, ou a aplicação da mesma diante do produto apresentado. Pergunto-me: Uma boa idéia tem distinção social? Uma boa idéia pode ser melhor para a classe A do que a D, por exemplo?

O que acham?

5 comentários:

Nilo Thiago disse...

O VT é ótimo mesmo.
"Less is more", como dizia Ludwig Mies.

Ótima pergunta, Paulo.
Pessoalmente, acho que uma boa idéia além de apresentar bem o produto para o target e causar o desejo e a ação (junto com todo o composto de marketing), dá uma boa sensação para quem está fora dele.

Isto é, por mais que aquela idéia não me passe desejo, é algo, digamos, "respeitável".

Como disse o Alexandre Wollner em uma entrevista sobre design: As coisas bem-feitas as pessoas respeitam.

Eu não sou target do Bombril, mas o VT deles não me aparece como interruptor de algo. Sinto ele como parte do entretenimento, na verdade. E eu acho que isso ajuda a definir uma boa idéia. Eu respeito Carlinhos Moreno tentando me vender algo e não troco de canal.

Sabe quando você passa na rua e um cara tenta te vender um descascador de cenouras? Então, não uso descascador, mas tem alguns vendedores que me fazem querer parar para ver "a maravilha" do produto. São os bons.

Acho que a boa idéia vende para o target e é respeitada por quem está fora dele.

Mas é realmente uma boa discussão.

Paulo Peres disse...

Nilo, é uma questão interessante mesmo. Vai longe...
Porém o que me pergunto é se esta idéia é adequada para o produto de alto luxo que é vendido. Isto que não saberia responder. (:
Abraços

Nilo Thiago disse...

É, bem complicado pensar isso.
Só com uma boa pesquisa, talvez focus group, pra identificar a pertinência desse VT para o target.

Sylvio R. disse...

A minha visão: Antes de se criar uma peça publicitária, devemos colocar várias coisas na mesa. O objetivo, o público-alvo e a praça.

Suponhamos que o objetivo desse video era "ser agradável aos olhos, encantar" e que seu público fosse "todos" e que seria exibido em uma grande feira de carros 1 ou 2 anos antes de entrar no mercado. Então, essa peça cumpriu muito bem o seu papel.

Procurei no YouTube outros comerciais do Q5 da Audi e achei este aqui ( http://br.youtube.com/watch?v=9rfa4qIt3-E ), que é, digamos, mais normal e comercial.

Caio disse...

Claramente é uma peça pra ganhar prêmio e não está preocupada em vender o produto, e sim, a idéia.

Como vc disse, pode ser que um cara q pode comprar um Audi pensar um pouco se deveeria comprar o carro depois de ver esse comercial.