domingo, fevereiro 22, 2015

Valores bem definidos, com estratégias bem comunicadas no back-office

A inovação, o Outcome, e a Preferência de Marca acontece através de um Back-Office coerente: 


"Google’s culture for instance is concentrated on innovation. Google also hires, motivates and develops the best talents from the best universities. As a result, Google could not have convinced its customers on its innovativeness only through advertising. HR practices and internal marketing is stressed to be vital to build strong brand image and performance. In addition, distribution channels or the style of the product itself further reinforce brand personality and image. These aspects greatly impact the service brand’s perceived quality necessary to satisfy customers and reinforce brand attachment. Consumers characterized by a great deal of brand attachment find it very difficult to switch the brand, because they have developed trust towards the brand and feel emotionally involved."
Trecho de "Brand Personality and Consumer Behavior" por Miletios Niros

A eficiência da imperfeição

Estamos em um momento liquido, amorfo, concentrador de riqueza e incertezas. Nossos objetivos de vida estão mais eficientes e nosso eu é bombardeado por frases de auto aceitação de nossas fraquezas e imperfeições. Somos objetos de nossos objetivos, porém nós nos tornamos instrumentos imperfeitos da eficiências industrial.
Essa dicotomia nos indica um reforço em nossas angustias diárias em sermos mais focados em nossas carreiras e atividades de vida (seja no trabalho ou no amor) sendo instrumentos de propósitos e felicidades que compramos suas idéias cada vez mais, achando que nos darão mais certezas sobre as nossas decisões. É um universo estranho entre se aceitar imperfeitamente em nossa unicidade, mas adorar se sentir igual aos outros, um normal. Aceitamos a diversidade, mas é a padronização que nos acalma.
O homem adora o padrão e padronizar. O padrão, é um conforto emocional que empresas adoram pela eficiência produtiva, mas ao mesmo tempo se torna seu maior inimigo, pois o fenômeno da redundância é custoso, caro e ineficiente diante da busca implacável da lucratividade.
Marcas crescem em busca de diferenciação, introduzindo modelos eficientes de crescimento e produção, mas pouca capacidade em se diferenciar diante do padrão (o estado permanente de commoditizacao de um produto/serviço) aceitável de competição, porque tem dificuldades em enxergar-se como empresa e sua missão e propósito, quanto seres humanos quanto criadores de valor para alguma coisa. Concorrer no mercado hoje em dia, se faz necessário ser mais rápido que a criação de um padrão. Para isso a inovação e a aceitação da incerteza e ineficiência surge como um grande angustiador para executivos que buscam uma genuína vantagem competitiva minimamente duradoura. Aceitar a incerteza é trabalhar voltado ao que mais nos atinge, nossa ineficiência em sabermos tudo, em todas as nuances e, algumas vezes nos deparar com pessoas que testam nossas convicções.
"Existem males que vem para o bem". Esta frase não existe no universo empresarial. Não existe a presença do erro, apenas projetos controlados e muito bem construídos para obter resultados rápidos e eficazes. Sim, é isso. Está certo. Nem sempre isso acontece, daí a importância em olhar os erros com o olhar humano. Quem disse que todos os dias temos que pegar o mesmo trajeto para ir ao trabalho? Podemos escolher outros. Testar. Uns terão mais cores, outros menos. Nenhum sistema é eficiente até que se prove o quanto ele é capaz de suportar sua uma resiliência. Ir além do que se tem, ou melhor, ir paralelo ao que se tem é uma maneira de dentro de universos controlados, explorar novos caminhos não-usuais.
Gerar inovação se torna um exercício de entender a natureza humana e se pôr numa situação de incerteza e insegurança sobre o futuro. Não acredito na inovação apenas pelo que os outros pedem, mas pelo que/como se sente o ambiente externo, e em como você se encaixa nele e coexiste.
Inovar tem sido cada vez mais um teste de valores para provar o quão cada ser humano é capaz de suportar e buscar seu melhor projeto. São obsessões parecidas a de alguns artistas. Cujo ambos exemplos precisam exercitar, criar ambientes propícios e favoráveis para expressar sua capacidade em ser criativo. Porém, com consequências diferentes e ambientes de experimentação diferentes e controlados, sem distrações muitas vezes. Mas que tem parecido ser cada vez mais divertidos (ou deveriam ser).
Não é de admirar que esteja longe de mim tudo o que não sou eu. Todavia, o que há mais perto de mim do que eu mesmo? - Santo Agostinho, Confissões, X, 16.
Seremos sempre imperfeitos, porque sempre seremos emocionais e intuitivos. Seremos sempre buscadores de padrões, mesmo adorando entrar nas nossas cavernas escuras de platão. Estaremos sempre longe de nós mesmos quando começamos a perder a capacidade de valorizar nossa jornada. Temos que ser efetivos em buscarmos a perfeição e eficientes em lidarmos com a imperfeição.
Henry David Thoreau disse certa vez "Men have become the tools of their tools." Eu eu me pergunto, a quem/que você serve? Por quê? Está valendo a pena? Se não, você pode até criar a eficiência no que você faz, mas não se deixará cair no inesperado gosto da incerteza. Nos impedindo de caçar além de nosso território conhecido. Que é isto que nos torna autênticos, um passo de cada vez. Quem disse que tem que ser pra frente? Por que não para o seu lado? 

O mundo é multipolar, é multiverso.
Seja efetivo em buscar a perfeição
post publicado originalmente em meu espaço no Linkedin

quinta-feira, janeiro 15, 2015

Um dever do líder é dar tempo e condições para inovação acontecer

"“How much time companies allocate depends on the level of uncertainty they face and the importance of innovation (for example, Valve competes in a high-uncertainty market and believes it creates all its value through customer-focused innovation). Time has the power to let people explore new ideas that may not make sense at first; but the greater the variation in new ideas you test, the higher the probability that some will prove valuable...No matter how it’s done, leaders must make sure that employees are given the time—and the expectation—to conceive and test new ideas. It helps if leaders set an example” - Jeff Dyer, em The Innovathors Method

quinta-feira, janeiro 08, 2015

"A Internet das Coisas precisa focar nas pessoas"

 "Nós não queremos que o consumidor precise se adaptar a novos comportamentos ou hábitos. Deverá integrar-se naturalmente nas vidas cotidianas dos consumidores" - afirmou o CEO da Samsung na abertura da CES Las Vegas
link

sábado, janeiro 03, 2015

O dia-dia da coleta de informação não começa com uma pergunta específica

"A coleta de informação e o processamento de informações com a mente aberta e sem preconcepções é algo geralmente difícil de encontrar nas empresas. As informações sobre o mercado são freqüentemente coletadas para se responder uma pergunta específica. Os resultados são interpretados apenas em referências àquela pergunta, e por causa disso, outras oportunidades escondidas sob essa informações podem passar despercebidas. Pior ainda, os gestores confirma suas expectativas. Psicólogos chamam isso de viés de confirmação. De fato, nossa tendência humana é de interpretar informações de tal forma que ela confirme, ao invés de desmentir, crenças já existentes. Em outras palavras, nossos cérebros podem conspirar contra tentativas de encontrar inspirações inovadoras. Isso ressalta a necedade de se contar com um processo disciplinado de obtenção de inspirações e analise de mercado." 

- George S. Day